Nos últimos tempos, muitas notícias têm surgido em relação ao uso das vacinas. Com a facilidade proporcionada pelos meios de comunicação, diversas pessoas, sejam elas leigas ou profissionais, têm discutido mais abertamente sobre esse tema. Em alguns casos, porém, as informações trazidas não condizem com a realidade, gerando uma grande confusão e até mesmo tirando a credibilidade das notícias e informações verdadeiras. 

Em entrevista à revista Veja, a pediatra Isabella Ballalai, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações, relatou que "temos observado de perto esse fenômeno das notícias falsas na nossa área e o impacto que isso tem sobre as decisões das pessoas”. 

Devido ao extenso debate que envolve a vacinação no Brasil atual, é importante compreender algumas das notícias falsas que têm sido espalhadas e a explicação verdadeira por trás delas. 

1 - "Uma boa higiene e saneamento farão com que as doenças desapareçam e, por isso, vacinas não são necessárias". 

MITO! De fato, uma boa higienização previne a dispersão e a contaminação de diversas doenças. Entretanto, em alguns casos, apenas isso não é o suficiente, principalmente em casos de doenças de fácil transmissão, como sarampo, ou que são trazidas por vetores, como febre amarela. Nesses casos, a vacinação é o único método de prevenção para controlar essas doenças. 

2 - "Não é mais necessário me vacinar contra doenças que são evitáveis por vacinas e que estão quase erradicadas em meu país". 

MITO! Doenças como sarampo e rubéola, estiveram controladas por muito anos, por meio das vacinas. No entanto, essas doenças têm ressurgido, justamente pelo fato de algumas pessoas considerarem que não precisam se vacinar, devido a quase erradicação. 

Esse reaparecimento acontece não porque as vacinas não têm efeito suficiente, mas porque sempre existem casos isolados dessas doenças. Assim, sem a vacinação, a partir de uma única pessoa contaminada, diversas outras podem adoecer. 

Essa situação foi muito bem demonstrada pela pandemia do coronavírus, em que a doença foi “trazida” por pessoas que estavam em viagem internacional, e, atualmente, grande parte da população já foi infectada, além de muitos outros que morreram em decorrência dessa doença. 

3 - É melhor ser imunizado por meio da doença do que por meio de vacinas? 

MITO! As vacinas são feitas, principalmente, com o vírus atenuado ou inativo (morto) e, em alguns casos, apenas com pequenos fragmentos do vírus. Dessa forma, o microrganismo se torna muito menos nocivo quando comparado aos casos em que a pessoa contrai a doença de forma natural, uma vez que, nesse último caso, o vírus está completamente ativo e é capaz de causar danos ao organismo.